Cara, a oferta de LIVEs no Instagram, Facebook, Youtube e afins é enorme. Tem live de todos os tipos, para todos os gostos e para todas as paciências rs.

É muito bonito ver como Grupos, Comunidades, Paróquias e algumas pessoas individualmente têm se colocado à disposição para proporcionar bons momentos de oração, partilha da Palavra, Adoração, dentre outras experiências.

São lives de meia hora até 3, 4, 5 horas de duração, quase se equiparando às LIVES dos Sertanejos brasileiros. E como é bom ver que as pessoas têm pra onde recorrer.

Eu mesmo trabalho num lugar que tem proporcionado de missas a terços, de adorações à partilhas com psicólogos e/ou coaches.

Mas a pergunta que me fica é: tudo bem que a galera se diga impactada por tão bons conteúdos, mas, como fica o depois?

Publicamente muita gente tem feito potentes experiências com o Sagrado, com o próprio Deus. Mas e depois? O que fica após aquela experiência digital? Ou simplesmente para-se ali e se espera por mais uma LIVE para ter uma nova experiência?

É claro, muito dificilmente vamos ver alguém que conduz uma LIVE, dizendo ao fim da mesma: “Saia um pouco do digital, se prostra diante do Senhor que está presente aí na tua Igreja Doméstica e peça a Ele para que todo o conteúdo dessa LIVE chegue ao mais íntimo do teu coração!”.

O que mais ouvimos é: “AMANHÃ TEM MAIS! Não perca! Amanhã Deus fará muito!”.

Bom, me aventurei um pouco por um dos pais da Igreja, Santo Ambrósio de Milão, para refletir um pouco sobre a necessidade do SECRETO e da experiência com Aquele que habita em nós.

Ele diz o seguinte:

Em primeiro lugar, onde deves orar? Paulo parece dizer uma coisa e o Senhor outra. Será que Paulo pode ensinar algo contrário aos preceitos de Cristo? Certamente não! Por que razão? Porque ele não é adversário, e sim intérprete de Cristo. Com efeito, ele diz: “Sede meus imitadores, assim como eu o sou de Cristo” (1Cor 4, 16; 11,1). O quê então? Podes rezar em todo lugar e rezar sempre no teu quarto. Tu tens o teu quarto em todo lugar. Mesmo que estejas entre os pagãos ou entre os judeus, sempre tens em todo lugar o teu segredo. O teu quarto é o teu espírito. Mesmo que estejas no meio do povo, conservas, no entanto, dentro do homem o teu lugar fechado e secreto!

E continua:

Tu, quando rezas, entra em teu cubículo (…) Que tua oração, portanto, não saia apenas dos teus lábios. Põe toda atenção do teu ânimo, entra no íntimo do teu peito, e entra aí todo inteiro. QUE AQUELE A QUEM DESEJAS AGRADAR NÃO TE ENCONTRE NEGLIGENTE. Que Ele veja que rezas de coração, para que, rezando de coração, Ele se digne ouvir-te.

E finaliza:

Quando rezas, não fiques gritando, não espalhe a tua oração, nem te vanglories no meio das pessoas: reza secretamente em ti mesmo, seguro de que Aquele que tudo vê e tudo ouve, pode te ouvir em segredo, e “reza então ao teu Pai escondidamente”. De fato, “Aquele que vê o que está escondido” (Mt 6, 6) ouve a tua oração.

Fonte: Coleção Patrística – Ambrósio de Milão (Editora Paulus)

Com isso, não quer dizer que não podemos rezar fervorosamente, online, em grupo, pela TV, por áudio… Mas que, mais importante que tudo isso, é no escondimento, encontrar-se com Aquele que se esconde dentro de nós.

Não vamos DIGITALIZAR nossa experiência com Deus, mas vamos trazer a experiência do digital para a VIDA REAL, vivendo fora das telas grandes ou pequenas, aquilo que talvez você tenha aprendido nelas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: